Pé Torto Congênito

 

Qual a causa do Pé Torto Congênito?

Os pais se sentem inicialmente culpados pela deformidade que a criança apresenta nos pés ao nascer. Entretanto, os médicos acreditam que este problema não foi causado por nada que os pais tenham feito ou deixado de fazer durante a gestação materna. A causa do Pé Torto não é exatamente bem esclarecida pelos médicos. Sabemos que o problema é mais comum em determinadas famílias. A incidência de crianças nascidas com pé torto é de 1 entre 1000 nascimentos. A chance de se ter um segundo filho com mesmo problema é de 1 em 30. Por isso não há necessidade dos pais se sentirem culpados pelo problema que a criança apresenta ao nascer.

Fig. 1: Pé Torto Congênito

Qual o futuro da criança que apresenta Pé Torto?

A criança que é tratada corretamente pelo método desenvolvido pelo Dr. Ponseti, conhecido professor norte-americano, apresenta ótimos resultados funcionais, próximos da normalidade. Entretanto alguns estigmas da doença vão persistir mesmo após o tratamento: 1 – O tamanho final do pé de uma criança com Pé Torto é sempre menor que um pé normal, assim como a panturrilha apresenta também um menor diâmetro. Entretanto, encurtamentos da perna não são significativos. 2 – Estudos a longo prazo, em pacientes tratados pelo método de Ponseti, demonstram que estas crianças não terão dificuldades para participar de atividades físicas regulares no futuro.

Como é realizado o método de Ponseti?

As crianças são submetidas a manipulações suaves e a colocação de aparelhos gessados longos, trocados semanalmente pelo médico assistente. As correções são progressivas e graduais, havendo normalmente a necessidade do uso de 6 à 10 aparelhos gessados. Após este período inicial, a criança é submetida a pequeno procedimento cirúrgico, com o objetivo de realizar o alongamento do tendão de Aquiles.

 

Fig. 2: Manipulação da articulação do Tornozelo

Fig. 3: Manipulação da articulação do Tornozelo

Fig. 4: Estágios do Método de Ponseti

O que acontece após a cirurgia?

Após 3 semanas o gesso é retirado no ambulatório e os pais são encaminhados para a confecção de uma órtese, que em nosso meio é conhecida como órtese de Dennis-Brown.

Fig. 5: Órtese de Dennis-Brown

Por quanto tempo a órtese vai ser utilizada?

Nos primeiros três meses subsequentes da cirurgia a órtese deve ser utilizada 23 horas por dia. Após este período inicial, a órtese deve ser utilizado apenas no período noturno, até a criança completar 2 anos de idade.

É importante o uso da órtese de Dennis-Brown?

Estudos a longo prazo demonstram que a recidiva da deformidade está intimamente relacionada ao não uso correto da órtese.

Dr. Celso Belfort Rizzi Junior