A osteoporose faz com que os ossos se tornem fracos e quebradiços – tão quebradiços que uma queda ou mesmo estresses suaves como dobra ou tosse podem causar uma fratura. As fraturas relacionadas à osteoporose ocorrem mais comumente no quadril, no pulso ou na coluna vertebral.

O osso é tecido vivo que está sendo quebrado constantemente para baixo e substituído. Osteoporose ocorre quando a criação de osso novo não acompanhar a remoção de osso velho.

A osteoporose afeta homens e mulheres de todas as raças. Mas mulheres brancas e asiáticas – especialmente mulheres mais velhas que estão na menopausa – estão em maior risco. Medicamentos, dieta saudável e exercício de peso podem ajudar a prevenir a perda óssea ou fortalecer ossos já fracos.

Sintomas

Normalmente, não há sintomas nos estágios iniciais da perda óssea. Mas uma vez que seus ossos foram enfraquecidos pela osteoporose, você pode ter sinais e sintomas que incluem:

  • Dor nas costas, causada por uma vértebra fraturada ou desmoronada
  • Perda de altura ao longo do tempo
  • Uma postura encurvada
  • Uma fratura óssea que ocorre muito mais facilmente do que o esperado
  • Quando consultar um médico

Você pode querer falar com seu médico sobre osteoporose se você passou por menopausa precoce ou tomou corticosteróides por vários meses de cada vez, ou se qualquer um dos seus pais tiveram fraturas de quadril.

Fonte: candidonobrega.com.br

Causas

Seus ossos estão em um estado constante da renovação. Quando você é jovem, seu corpo faz o osso novo mais rápido do que reabsorve o osso velho e sua massa óssea aumenta. A maioria das pessoas atinge seu pico de massa óssea por volta dos 20 anos. À medida que as pessoas envelhecem, a massa óssea é perdida mais rapidamente do que é criada.

A probabilidade de desenvolver osteoporose depende em parte da quantidade de massa óssea que você atingiu em sua juventude. Quanto maior o pico de massa óssea, mais osso você tem “no banco” e menos provável é que você desenvolva osteoporose à medida que envelhece.

Fatores de risco

Vários fatores podem aumentar a probabilidade de desenvolver osteoporose – incluindo sua idade, raça, escolhas de estilo de vida e condições e tratamentos médicos.

Riscos imutáveis

Alguns fatores de risco para osteoporose estão fora de seu controle, incluindo:

  • Seu sexo. As mulheres são muito mais propensas a desenvolver osteoporose do que os homens.
  • Idade. Quanto mais velho você for, maior será o risco de osteoporose.
  • Etnia. Você está em maior risco de osteoporose se você é branco ou de origem asiática.
  • História na família. Ter um pai ou irmão com osteoporose coloca você em maior risco, especialmente se sua mãe ou pai apresentou uma fratura de quadril.
  • Tamanho da estrutura do corpo. Os homens e as mulheres que têm estruturas pequenas do corpo tendem a ter um risco mais elevado porque podem ter menos massa do osso a extrair de quando envelhecem.
  • Alterações hormonais: a Osteoporose é mais comum em pessoas que têm muito ou muito pouco de certos hormônios em seus corpos.

Exemplos incluem:

  • Hormônios sexuais. Baixos níveis de hormônios sexuais tendem a enfraquecer osso. A redução dos níveis de estrogênio em mulheres na menopausa é um dos mais fortes fatores de risco para desenvolver osteoporose. Os homens experimentam uma redução gradual nos níveis de testosterona à medida que envelhecem. Tratamentos para o câncer de próstata que reduzem os níveis de testosterona em homens e tratamentos para o câncer de mama que reduzem os níveis de estrogênio em mulheres são susceptíveis de acelerar a perda óssea.
    Problemas da tireóide. Muito hormônio da tireóide pode causar perda óssea. Isso pode ocorrer se a sua tiróide é hiperativa ou se você tomar muito hormônio tireoidiano medicação para tratar uma tireóide underactive.
    Outras glândulas. A osteoporose também tem sido associada a glândulas paratiroideas e adrenais hiperativas.
    Fatores dietéticos

A osteoporose é mais provável de ocorrer em pessoas que têm:

  • Baixa ingestão de cálcio. Uma falta vital de cálcio desempenha um papel no desenvolvimento da osteoporose. A baixa ingestão de cálcio contribui para a diminuição da densidade óssea, perda óssea precoce e aumento do risco de fraturas.
  • Distúrbios alimentares. Restringir severamente a ingestão de alimentos e estar abaixo do peso enfraquece o osso tanto em homens como em mulheres.
  • Cirurgia gastrointestinal. Cirurgia para reduzir o tamanho do seu estômago ou para remover parte do intestino limita a quantidade de superfície disponível para absorver nutrientes, incluindo cálcio.
  • Esteróides e outros medicamentos

O uso prolongado de corticosteróides orais ou injetados, como prednisona e cortisona, interfere no processo de reconstrução óssea. A osteoporose também tem sido associada com medicamentos usados ​​para combater ou prevenir:

  • Convulsões
  • Refluxo gástrico
  • Câncer
  • Rejeição de transplante
  • Condições médicas

O risco de osteoporose é maior em pessoas que têm certos problemas médicos, incluindo:

  • Doença celíaca
  • Doença inflamatória intestinal
  • Doença renal ou hepática
  • Câncer
  • Lúpus
  • Mieloma múltiplo
  • Artrite reumatóide

Escolhas de estilo de vida

Alguns maus hábitos podem aumentar o risco de osteoporose. Exemplos incluem:

Estilo de vida sedentário. As pessoas que passam muito tempo sentadas têm um maior risco de osteoporose do que aqueles que são mais ativos. Qualquer exercício de peso e atividades que promovam o equilíbrio e boa postura são benéficos para os ossos, mas andar, correr, saltar, dançar e halterofilismo parecem particularmente úteis.
Consumo excessivo de álcool. O consumo regular de mais de duas bebidas alcoólicas por dia aumenta o risco de osteoporose.
Uso do tabaco. O papel exato que o tabaco desempenha na osteoporose não é claramente compreendido, mas tem sido demonstrado que o uso do tabaco contribui para ossos fracos.

Complicações

  • A osteoporose pode causar colapso (achatamento) vertebral.
  • Fraturas de compressão
  • As fraturas ósseas, particularmente na coluna vertebral ou quadril, são a complicação mais grave da osteoporose. Fraturas de quadril muitas vezes são causadas por uma queda e pode resultar em incapacidade e até mesmo um risco aumentado de morte dentro do primeiro ano após a lesão. Em alguns casos, as fraturas da coluna vertebral podem ocorrer mesmo que você não tenha caído.
  • Os ossos que compõem a coluna vertebral (vértebras) podem enfraquecer até o ponto que eles podem amassar, o que pode resultar em dor crônica nas costas, perda de altura e uma postura encurvada para a frente.

Colapso Vertebral

Fratura do Colo do Fêmur

Diagnóstico

Densitometria Óssea: sua densidade óssea pode ser medida por uma máquina que usa baixos níveis de raios-X para determinar a proporção de mineral em seus ossos.  Na maioria dos casos, apenas alguns ossos são verificados – geralmente no quadril, pulso e coluna vertebral.

Densitometria Óssea

Tratamento

Recomendações de tratamento são muitas vezes baseadas em uma estimativa do seu risco de fraturar um osso nos próximos 10 anos usando informações como o teste de densidade óssea. Se o risco não é alto, o tratamento pode não incluir medicação e pode se concentrar em modificar os fatores de risco para perda óssea e quedas.

Para homens e mulheres com risco aumentado de fratura, os medicamentos de osteoporose mais prescritos são bifosfonatos. Exemplos incluem:

  • Alendronato
  • Risedronato
  • Ibandronato
  • Ácido zoledrónico

Os efeitos colaterais incluem náusea, dor abdominal e sintomas semelhantes a azia. Estes são menos prováveis ​​de ocorrer se o medicamento é tomado corretamente. As formas intravenosas de bifosfonatos não causam dores de estômago, mas podem causar febre, dor de cabeça e dores musculares por até três dias. E pode ser mais fácil agendar uma injeção trimestral ou anual do que lembrar de tomar uma pílula semanal ou mensal, mas pode ser mais caro para fazê-lo.

O uso de terapia com bifosfonatos por mais de cinco anos tem sido associado a um problema muito raro de fratura no 1/3 médio do fêmur.

Bisfosfonatos também têm o potencial de afetar a mandíbula. A osteonecrose da mandíbula é uma condição rara que pode ocorrer tipicamente após uma extração dentária em que uma fratura de mandíbula não consegue curar onde o dente foi puxado. Você deve ter um exame dentário recente antes de iniciar bifosfonatos.

Terapia relacionada com hormônios

Estrogênio, especialmente quando iniciado logo após a menopausa, pode ajudar a manter a densidade óssea. No entanto, a terapia de estrogênio pode aumentar o risco de coágulos de sangue, câncer de endométrio, câncer de mama e possivelmente doença cardíaca. Portanto, o estrogênio é tipicamente usado para a saúde óssea em mulheres mais jovens ou em mulheres cujos sintomas na menopausa também requerem tratamento.

O Raloxifeno imita efeitos benéficos do estrogênio na densidade óssea em mulheres pós-menopáusicas, sem alguns dos riscos associados com estrogênio. Tomar esta droga pode reduzir o risco de alguns tipos de câncer da mama. O Raloxifeno também pode aumentar o risco de coágulos sanguíneos.

Nos homens, a osteoporose pode estar ligada a um declínio gradual relacionado com a idade nos níveis de testosterona. A terapia de reposição de testosterona pode ajudar a melhorar os sintomas de baixa testosterona, mas os medicamentos de osteoporose têm sido melhor estudados em homens para tratar a doença e, portanto, são recomendados sozinhos ou em adição à testosterona.

Outros medicamentos contra a osteoporose

Se você não pode tolerar os tratamentos mais comuns para osteoporose – ou se eles não funcionam bem o suficiente – o seu médico pode sugerir tentar:

  • Denosumab. Comparado com bifosfonatos, o denosumab produz resultados de densidade óssea semelhantes ou melhores e reduz a chance de todos os tipos de fraturas. O Denosumab é administrado por via aérea sob a pele a cada seis meses.
  • Teriparatide. Esta poderosa droga é semelhante ao hormônio paratiróide e estimula o crescimento ósseo novo. É administrado por injecção diária sob a pele. Após dois anos de tratamento com teriparatida, outro fármaco para osteoporose é tomado para manter o novo crescimento ósseo.

Medicina alternativa

A proteína de soja parece ter atividade semelhante ao estrogênio no tecido ósseo. Alguns estudos indicam que o risco de fratura óssea é menor em mulheres asiáticas pós-menopausa que consomem quantidades maiores de proteína de soja. Mas a soja deve ser usada com cautela por mulheres que têm uma história familiar ou pessoal de câncer de mama. A maioria dos produtos de soja disponíveis não tem mostrado reduzir a chance de fraturas.

Ipriflavona é um produto feito em um laboratório de uma das isoflavonas encontradas na soja. Quando combinado com o cálcio, a ipriflavona parece prevenir a perda óssea e reduzir a dor associada a fraturas de compressão na coluna vertebral.

Com suporte de Texto da Clínica Mayo

ORTOPedia BR

Autor: ORTOPedia BR

Maior portal de busca de ortopedistas do Brasil. Pesquise nossa listagem de especialistas. Só aqui você encontra todas as informações mais relevantes sobre o mundo da ortopedia e especialistas em joelho, ombro e cotovelo, pé, coluna...

  • Márcio Albino

    quais parte dos membros é menos traumatico para fazer o procedimento? Fêmur ou tíbia?