A osteogênese imperfeita é também conhecida como osteogenesis imperfecta (doença de Lobstein ou doença de Ekman-Lostein) ou doença dos ossos de vidro. É causada por genes defeituosos que prejudicam o fortalecimento ósseo, deixando-os frágeis e propensos à fraturas. Esta condição pode ser branda mas nos casos mais graves os portadores podem apresentar centenas de fraturas no decorrer da vida, mesmo sem um motivo identificado. Mesmo o feto pode sofrer fraturas intra-útero, nascendo já com deformidades importantes. O seu tratamento pode envolver cirurgias ortopédicas.

 

1- Como funcionam as hastes telescópicas no tratamento da osteogênese imperfeita – osteogenesis imperfecta?

Par de hastes que são fixadas em cada extremidade do osso longo e que funcionam como uma antena de automóvel, alongando-se à medida que a criança cresce. A parte proximal é fixada através de uma rosca de maior diâmetro, é a chamada haste fêmea, porque ela recobre a haste denominada macho, que tem sua fixação distal no osso, seja através de ponta rosqueada ou um bloqueio por um fio de kirshner.

 

 

 

2- Existe o tamanho de haste telescopada apropiado para cada caso?

Existem hastes feitas apropiadamente para cada osso longo: o fêmur, a tibia e o umero. Além disso são confeccionadas em diâmetros variados, e o exame radiológico prévio é de fundamental importância. As hastes fêmeas são de comprimento único e devem ser cortadas previamente a cirurgia ou ter em mãos um motor apropiado para o seu corte.

 

 

3- Elas acompanham todo o crescimento do osso?

Depende da idade em que são implantadas. Quando a criança portadora de osteogênese imperfeita ( osteogenesis imperfecta ) ainda apresenta um grande potencial de crescimento, existe a possibilidade da necessidade de sua troca. Além disso o fator grau de comprometimento do paciente também influencia na decisão, graus de maior acometimento ósseo apresentam uma menor taxa de crescimento final.

Seis meses após a fixação deve-se observar a consolidação óssea e o crescimento da haste.

 

4- Quando devo operar?

Quanto mais precoce é a cirurgia, menores são as deformidades e menores os traumas das múltiplas fraturas, tanto para a criança quanto para os pais. O uso da medicação tornou muito menos freqüente as fraturas na vida dessas crianças. As deformidades pré existentes ou mesmo após uma fratura inicial devem ser avaliadas pelo médico responsável. A importância está no fato de que estas deformidades poderem favorecer, do ponto de visto mecânico, uma fratura.

 

Paciente de 3 anos com 03 cirurgias ósseas realizadas.

 

5- São cirurgias que envolvem riscos?

São cirurgias de grande porte, que normalmente envolvem a necessiade de reposição sanguínea durante o ato cirúrgico ou mesmo após. São realizados múltiplos cortes no osso operado e um grande acesso cirúrgico é necessário. Apenas defomidades menores podem ser realizadas por pequenas incisões e cortes ósseos percutâneos.

6- Existem complicações?

Como em todo procedimento cirúrgico, mesmo executado por médicos bem treinados, existe a possibilidade de uma complicação. Esta vai desde uma infecção, seja ela superficial ou profunda, até intercorrências na fixação da haste. As hastes telescopadas mais modernas apresentam riscos menores de complicações. As principais são as solturas dos pontos de apoio proximal e distal não são infrequentes de acontecerem.

 

Soltura da rosca proximal

Celso B. Rizzi Jr.

Autor: Celso B. Rizzi Jr.

Experiência profissional na especialidade desde 1994. Fellowship Hands on no Shrinners Children Hospital em Los Angeles por 1 ano. Especialista por 5 anos na Rede Sarah. Especialista por 15 anos no INTO. Atualmente, coordena o Setor de Ortopedia Pediatrica, sob a chancela do STO do Hospital dos Servidores.

  • Michelle Lola

    Boa noite hj torci meu meu pé e meu tornozelo virou dando um estalo audivel. desde então esta doendo muito se coloco no chão. o que pode ter acontecido?

    • Jacqueline Peres

      Olá não sou médica mais venho sofrendo com meu tornozelo á a mais de um ano então o que te aconselho é procurar um medico o quanto antes e tentar fazer uma ressonância pra ver se está tudo … uma dica importante se o médico pedir repouso faça pois caso não siga certinho pode piorar e muito como foi no meu caso.

      Procure um médico.
      Abraços e melhoras.

  • yun

    oi, eu sou yun, tenho 18 anos e torci meu tornozelo há dois meses atrás
    fui no ortopedista, usei gesso por 10 dias e quando tirei, ainda estava com edema e bastante inchado
    demorei um pouco para ir lá de novo, pois é muito longe da minha casa; quando eu fui, o médico que me atendeu no dia da lesão não estava lá, então não fui atendida… cheguei a ir de novo, mas a mesma coisa se repetiu (saúde pública sucks)
    acabou que meu pé foi melhorando sozinho nesse meio tempo, com gelo e água quente; já até consigo andar rápido e descer degraus!

    mas o problema é que ele não desincha… o fato é que era pra eu ter engessado o pé de novo pra ele melhorar certinho, mas por causa dos desencontros com o médico, não deu
    tenho medo desse inchaço poder ser permanente… o que eu faço? devo voltar lá e engessar de novo? socorro, tô começando a ficar angustiada de comparar meus pés todo dia ):

  • Gustavo Teixeira

    Muito legal, estou começando a sentir as dores e estou olhando muito antes de procurar um médico, tem esse artigo que aprendi muito: https://www.blog.sachets.com.br/artrose-e-artrite-reumatoide/
    abraços

  • Vagda Borges

    Olá meu nome é Vagda, tive uma fratura por stress há 03 meses, fiz tratamento com a bota, estava consolidada usando derrepente senti e escutei um CREC, sim a fratura por stress quebrou atingindo o 4 dedo, agora estou esperando sair o edema para realizar cirurgia.

  • Sabrina Fagundes

    Meu irmão sente dor na hora em que ele chuta a bola, o que pode ser?? Geralmente na parte do peito do pé