Artroscopia, ou vídeoartroscopia, é o nome que se dá a uma técnica cirúrgica minimamente invasiva ortopédica.

Consiste em se abordar uma articulação através de pequenas incisões e instrumentos cirúrgicos especiais. As incisões são muito pequenas, normalmente não maiores do que 5 milímetros. A maioria das cirurgias podem ser feitas com apenas dois ou três desses pequenos orifícios, que são chamados de portais artroscópicos.

Por um desses portais o cirurgião introduz o artroscópio (Figura 1). O artroscópio é um instrumento ótico acoplado a uma câmera que transmite imagens de dentro da articulação, ampliadas e em altíssima definição, para um monitor de vídeo.

artroscopia
Figura 1: Artroscópio

Pelo outro portal, ou portais, são inseridos os instrumentos cirúrgicos artroscópicos. Estes portais permitem ao cirurgião testar as estruturas articulares, colher fragmentos de tecidos para biópsias, remover corpos livres, identificar lesões e tratá-las.

A artroscopia serve, portanto, para se fazer o diagnóstico de patologias intra-articulares e também tratá-las.

O joelho é a maior articulação do nosso corpo e também é a articulação onde a maioria das artroscopias é realizada (Figura 2). Mas, com o desenvolvimento de artroscópios de diferentes tamanhos e instrumentais cirúrgicos especiais, hoje pode-se abordar a maioria das articulações do corpo, como o ombro, tornozelo, cotovelo, punho e quadril.

artroscopia do joelho
Figura 2: Artroscopia de joelho

Artroscopia x Cirurgia convencional

As vantagens da artroscopia para os pacientes são enormes: cicatrizes muito pequenas, mínimo sangramento, recuperação rápida e praticamente indolor.

Para o joelho, especificamente, a artroscopia é mais comumente executada para o tratamento das lesões dos meniscos, lesões da cartilagem e lesões ligamentares.

Figura 3: Imagem do ligamento cruzado anterior obtida em artroscopia de joelho

Recuperação

A recuperação de uma cirurgia artroscópica costuma ser bem mais rápida quando comparada com as técnicas convencionais. As cicatrizes, de tão pequenas, costumam desaparecer com o tempo.

Importante saber que o aprendizado das técnicas cirúrgicas artroscópicas demanda estudo e tempo em especializações e sub-especializações e que os pacientes devem sempre procurar por cirurgiões que sejam especialistas em artroscopia.

Artigo escrito pelo Dr. Adriano de Araújo Karpstein, ortopedista especialista em joelho.

Adriano De Araujo Karpstein

Autor: Adriano De Araujo Karpstein

O Dr. Adriano Karpstein é médico com especializações nas áreas de Ortopedia e Traumatologia, Medicina Esportiva, Artroscopia e Cirurgia de Joelho. Tem mais de 20 anos de experiência. Foi médico dos três principais clubes de futebol profissional do Paraná: Coritiba Foot Ball Club, Paraná Clube e Clube Atlético Paranaense. Hoje dedica-se exclusivamente ao seu consultório privado, localizado na cidade de Curitiba, no Paraná, onde atende pacientes de todo o Brasil e também de outros países. Suas cirurgias são realizadas no Hospital Marcelino Champagnat, um dos melhores hospitais do país. É membro das principais sociedades médicas internacionais das suas especialidades ( ISAKOS, AAOS, SLARD, ICRS, AOSSM e AANA ). Está em constante atualização, frequentando os principais cursos e congressos internacionais, para disponibilizar para os seus pacientes as últimas novidades, os melhores tratamentos e as mais novas técnicas cirúrgicas. É referência em cirurgia artroscópica de joelho no Brasil.

  • Tiago Montagnini

    Olá tudo bem?

    Tenho nos 2 pés plano valgo e gostaria de fazer a cirurgia porém tenho receio do pós operatório. Algumas dúvidas abaixo já que estou um pouco acima do peso:

    Foi colocado pino que ficou exposto para fora dos pés?
    Como fez para se locomover já que os 2 pés estarão imobilizados?
    Como tomar banho e fazer as necessidades urinar e fezes?
    Colocaram gesso ou tala? E a locomoção até a fisioterapia como foi? Ou foi feita em casa mesmo?
    Como sentava na cadeira de rodas ou trocar de cadeiras de rodas?.

    Meu email [email protected]

    Se puder me ajudar agradeceria muito.

    Att.
    Tiago M.

  • Anjinhu Lilas

    caí e fraturei o fêmur, pq tenho risco de trombose e pneumonia?

  • Rafael Pereira

    A lesão do ligamento cruzado anterior (LCA) está entre as mais temidas por atletas. Apesar de uma baixa incidência quando comparada a outras lesões são lesões mais graves que necessitam de cirurgia e um longo período de reabilitação.

    https://elastic.fit/blog/ligamento-cruzado-anterior-prevenindo-lesoes-lca-em-atletas/

  • Rubens Negri Temoteo

    Boa tarde!
    Eu acredito que seja dor no punho pessoas já que, pulso se refere aos batimentos cardíacos.

  • Wanessa Iano

    Faz uma semana que torci o pé, de imediato coloquei a bota mas continuei caminhando achando que era só torção. Só que na usg 5 dias após apareceu que tive alto grau de rompimento na fibulotalar. Estou achando muito estranho não ter sido dito para usar muletas e deixar o pé fora do chão sendo uma ruptura de alto grau. Nessas primeiras semanas o indicado não seria caminhar apenas de muletas sem por o pé bo Chão? Ou já é liberado por o pé no chão mesmo que sinta um pouco de dor. Estava com pouca dor e caminhando… muito medo de prejudicar a recuperação.