Durante o início da marcha não é infrequente a criança andar na ponta dos pés. Isso não é significado de uma alteração ortopédica. Muitas das vezes isso tem relação com a coordenação motora que ainda está em desenvolvimento. Os pais não precisam se desesperar nesses casos. À medida que ocorre o desenvolvimento, a marcha tende a se estabilizar.

Apesar disso, algumas crianças apresentam um esteriótipo de andar na ponta dos pés que por vezes persiste por anos, apesar das reclamações frequentes dos pais. Geralmente também tendem a desaperecer  nesses casos.

Figura 1. Andar na Ponta dos Pés

Causas Ortopédicas do Equinismo na criança

Duas causas ortopédicas podem estar relacionadas de forma mais comumente à marcha na ponta dos pés. A primeira é a Hipóxia Peri Natal, que leva a um atraso do desenvolvimento e a uma marcha em equino. A segunda, a mais comum, é o Encurtamento Congênito do Tendão de Aquiles (ECTA). O ECTA nem sempre é detectado ao nascimento. Apesar de ser caracterizado como congênito, em muitas das vezes é evolutivo, e levamos alguns anos para confirmamos o diagnóstico. Muitas vezes, apesar de criança andar na ponta dos pés, seu exame inicial é normal e evolui com encurtamento com o passar dos anos.

Após o diagnóstico, o  tratamento consiste em três fases, que variam de acordo com a idade e o grau de encurtamento do tendão. Quanto menor a idade e mais frouxo é o tendão, maior a chance do tratamento conservador dar bons resultados. Esse tratamento consiste na fisioterapia e aplicação da Toxina Botulínica no músculo encurtado. Entretanto, quanto maior a criança e maior a rigidez articular, maior a probabilidade de necessitar do tratamento cirúrgico. Não há uma idade ideal, depende dos fatores relacionados acima. A cirurgia consiste no alongamento cirúrgico do tendão e uma imobilização de 4 a 6 semanas, seguida de tratamento fisioterápico.

Figura 2 – Fisioterapia. Fonte: http://www.manchesterneurophysio.co.uk

Celso B. Rizzi Jr.

Autor: Celso B. Rizzi Jr.

Experiência profissional na especialidade desde 1994. Fellowship Hands on no Shrinners Children Hospital em Los Angeles por 1 ano. Especialista por 5 anos na Rede Sarah. Especialista por 15 anos no INTO. Atualmente, coordena o Setor de Ortopedia Pediatrica, sob a chancela do STO do Hospital dos Servidores.

  • Tiago Montagnini

    Olá tudo bem?

    Tenho nos 2 pés plano valgo e gostaria de fazer a cirurgia porém tenho receio do pós operatório. Algumas dúvidas abaixo já que estou um pouco acima do peso:

    Foi colocado pino que ficou exposto para fora dos pés?
    Como fez para se locomover já que os 2 pés estarão imobilizados?
    Como tomar banho e fazer as necessidades urinar e fezes?
    Colocaram gesso ou tala? E a locomoção até a fisioterapia como foi? Ou foi feita em casa mesmo?
    Como sentava na cadeira de rodas ou trocar de cadeiras de rodas?.

    Meu email [email protected]

    Se puder me ajudar agradeceria muito.

    Att.
    Tiago M.

  • Anjinhu Lilas

    caí e fraturei o fêmur, pq tenho risco de trombose e pneumonia?

  • Rafael Pereira

    A lesão do ligamento cruzado anterior (LCA) está entre as mais temidas por atletas. Apesar de uma baixa incidência quando comparada a outras lesões são lesões mais graves que necessitam de cirurgia e um longo período de reabilitação.

    https://elastic.fit/blog/ligamento-cruzado-anterior-prevenindo-lesoes-lca-em-atletas/

  • Rubens Negri Temoteo

    Boa tarde!
    Eu acredito que seja dor no punho pessoas já que, pulso se refere aos batimentos cardíacos.

  • Wanessa Iano

    Faz uma semana que torci o pé, de imediato coloquei a bota mas continuei caminhando achando que era só torção. Só que na usg 5 dias após apareceu que tive alto grau de rompimento na fibulotalar. Estou achando muito estranho não ter sido dito para usar muletas e deixar o pé fora do chão sendo uma ruptura de alto grau. Nessas primeiras semanas o indicado não seria caminhar apenas de muletas sem por o pé bo Chão? Ou já é liberado por o pé no chão mesmo que sinta um pouco de dor. Estava com pouca dor e caminhando… muito medo de prejudicar a recuperação.